ADS

Destaques

Bolívia: Exército se retira após Luis Arce reagir a tentativa de golpe

As Forças Armadas bolivianas e seus veículos blindados retiraram-se do palácio presidencial em La Paz na noite desta quarta-feira (26), após o presidente Luis Arce denunciar uma tentativa de "golpe" contra o governo e pedir apoio internacional.

Mais cedo nesta quarta-feira, unidades militares lideradas pelo general Juan Jose Zúñiga, recém destituído de seu comando militar, haviam se reunido na praça central Plaza Murillo, onde estão localizados o palácio presidencial e o Congresso. Uma testemunha da Reuters viu um veículo blindado bater em uma porta do palácio presidencial e soldados entrarem correndo.

"Hoje o país está enfrentando uma tentativa de golpe de Estado. Hoje o país enfrenta mais uma vez interesses para que a democracia na Bolívia seja interrompida", disse o Arce no palácio presidencial, com soldados armados do lado de fora.

"O povo boliviano está sendo convocado hoje. Precisamos que o povo boliviano se organize e se mobilize contra o golpe de Estado em favor da democracia."

Algumas horas depois, uma testemunha da Reuters presenciou a retirada dos soldados da praça, enquanto a polícia assumia o controle do local.

Dentro do palácio presidencial, Arce empossou José Wilson Sánchez como comandante militar no lugar de Zúñiga. Sánchez pediu aos soldados que retornassem aos quartéis e aos seus líderes que evitassem o derramamento de sangue.

Os Estados Unidos disseram que estavam monitorando de perto a situação e pediram calma e moderação.

As tensões têm aumentado na Bolívia antes das eleições gerais de 2025, com o ex-presidente de esquerda Evo Morales planejando concorrer contra o antigo aliado Arce, criando uma grande divisão no partido socialista, no poder, e uma incerteza política mais ampla.

Muitos não querem o retorno de Morales, que governou de 2006 a 2019, quando foi deposto em meio a protestos generalizados e substituído por um governo conservador interino. Arce então venceu as eleições em 2020.

Zúñiga disse recentemente que Morales não deveria poder retornar à Presidência e ameaçou bloqueá-lo caso ele tentasse, o que levou Arce a remover Zúñiga de seu cargo.

Zúñiga se dirigiu aos repórteres na praça e citou a raiva crescente no país, que vem enfrentando uma crise econômica com o esgotamento das reservas do banco central e a pressão sobre a moeda boliviana, uma vez que as exportações de gás diminuíram.

"Os três chefes das Forças Armadas vieram expressar nossa consternação", disse Zúñiga a uma estação de TV local, pedindo um novo gabinete de ministros. Ele não chegou a pedir a remoção de Arce.

"Parem de destruir, parem de empobrecer nosso país, parem de humilhar nosso Exército", disse, em uniforme completo e ladeado por soldados, insistindo que a ação era apoiada pelo público.

Morales, líder do partido governista socialista MAS, disse que seus partidários se mobilizariam em apoio à democracia.

Ele acusou Zúñiga de tentar dar um golpe de Estado, anunciou uma paralisação geral e uma convocação para bloqueio das estradas.

"Não permitiremos que as Forças Armadas violem a democracia e intimidem as pessoas", disse Morales.

O apoio público a Arce e à democracia boliviana foi manifestado por líderes regionais, e até mesmo opositores políticos conservadores na Bolívia, incluindo a ex-presidente Jeanine Anez, que está presa, condenaram veementemente a ação militar.

Em nota, o governo brasileiro condenou "nos mais firmes termos" a tentativa de golpe na Bolívia e manifestou e solidariedade a Arce.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva utilizou uma publicação na rede social X para condenar o ato. 

"A posição do Brasil é clara. Sou um amante da democracia e quero que ela prevaleça em toda a América Latina. Condenamos qualquer forma de golpe de estado na Bolívia e reafirmamos nosso compromisso com o povo e a democracia no país irmão presidido por Luis Arce", afirmou.

O presidente mexicano Andres Manuel Lopez Obrador, também reagiu à mobilização militar em um post no X.

"Expressamos a mais veemente condenação da tentativa de golpe de Estado na Bolívia. Nosso total apoio e suporte ao presidente Luis Alberto Arce Catacora", disse.

Zúñiga foi preso na noite desta quarta-feira. Mais cedo, a Procuradoria-Geral da Bolívia havia informado que iniciará uma investigação criminal contra ele e aqueles que o acompanharam na mobilização militar nos arredores do palácio presidencial.

*É proibida a reprodução deste conteúdo

Fonte: Agência Brasil

Nenhum comentário

Deixei seu comentário, a sua opinião é muito importante.