ADS

Destaques

Hamas diz que aceita plano de trégua em Gaza apoiado pela ONU

O Hamas aceita a resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) que apoia um plano para acabar com a guerra contra Israel em Gaza e está pronto para negociar detalhes, disse uma autoridade de alto escalão do grupo militante palestino nesta terça-feira.O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, disse que a reação é "um sinal de esperança".

As conversas sobre os planos para Gaza após o fim da guerra entre Israel e Hamas continuarão hoje e nos próximos dias, afirmou Blinken em Tel Aviv, após conversas com líderes israelenses. "É imperativo que tenhamos esses planos".

O secretário se reuniu hoje com autoridades israelenses, em um esforço para acabar com a guerra aérea e terrestre israelense de oito meses contra o Hamas que devastou Gaza. O encontro ocorre um dia depois que a proposta de trégua do presidente norte-americano, Joe Biden, foi aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU.

Antes da viagem de Blinken, Israel e o Hamas repetiram as posições linha-dura que minaram a mediação anterior para pôr fim aos combates. Israel continuou com os ataques no centro e sul de Gaza, considerados os mais sangrentos da guerra.

Hoje, o representante sênior do Hamas Sami Abu Zuhri, que está baseado fora de Gaza, disse que o grupo aceitou a resolução do cessar-fogo e estava pronto para negociar os detalhes. Cabe a Washington garantir que Israel cumpra a resolução, acrescentou.

Segundo ele, o Hamas aceitou a fórmula que estipula a retirada das tropas israelenses do enclave e a troca de reféns mantidos em Gaza por prisioneiros palestinos presos em Israel.

"O governo dos EUA está enfrentando um teste real para cumprir seus compromissos de obrigar a ocupação a encerrar imediatamente a guerra, implementando a resolução do Conselho de Segurança da ONU", disse Abu Zuhri à Reuters.

Blinken afirmou que a declaração do Hamas foi "um sinal de esperança", mas que ainda era necessária uma palavra definitiva da liderança do grupo dentro da Faixa de Gaza sitiada por Israel. "Isso é o que conta, e é o que ainda não temos".

A guerra começou quando militantes palestinos liderados pelo Hamas invadiram o sul de Israel a partir de Gaza em 7 de outubro, matando mais de 1.200 pessoas e fazendo mais de 250 reféns, de acordo com os registros israelenses.

A blitz aérea e terrestre de retaliação de Israel em Gaza matou mais de 37 mil palestinos, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, e reduziu a maior parte do estreito enclave costeiro a ruínas, com desnutrição generalizada.

A proposta de Biden prevê um cessar-fogo e a libertação de reféns em troca de palestinos presos em Israel em etapas, o que acabará levando a um fim permanente da guerra.

Israel disse que concordará apenas com pausas temporárias na guerra até que o Hamas seja derrotado, enquanto o Hamas rebateu que não aceitará um acordo que não garanta o fim da guerra.

Em entrevista antes de seguir para a Jordânia, Blinken afirmou que suas conversas estavam abordando os planos para Gaza no dia seguinte, incluindo segurança, governança e reconstrução do enclave densamente povoado.

"Estamos fazendo isso em consulta com muitos parceiros em toda a região. Essas conversas continuarão, é imperativo que tenhamos esses planos", declarou.

Na Faixa de Gaza, nesta terça-feira, os palestinos reagiram com cautela à votação do Conselho de Segurança, temendo que ela pudesse ser mais uma iniciativa de cessar-fogo que se mostraria infrutífera.

"Só acreditaremos quando virmos", disse Shaban Abdel-Raouf, 47 anos, com uma família deslocada de cinco pessoas que se abriga na cidade central de Deir Al-Balah, alvo frequente do poder de fogo israelense.

"Quando eles nos disserem para empacotar nossos pertences e nos prepararmos para voltar à Cidade de Gaza, saberemos que é verdade", afirmou ele à Reuters por meio de um aplicativo de mensagem.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Fonte: Agência Brasil

Nenhum comentário

Deixei seu comentário, a sua opinião é muito importante.